Teóricas Feministas que inspiram: Gayatri Spivak

Teóricas Feministas que inspiram: Gayatri Spivak
janeiro 28, 2020 Priscila Kikuchi

Gayatri Spivak

Gayatri Chakravorty Spivak nasceu em 24 de fevereiro de 1942 em Calcutá, na Índia. Spivak é uma teórica crítica, doutora em literatura comparada e atualmente é professora universitária. Spivak se auto define como “uma feminista marxista fora de moda”. 

Sua obra mais conhecida é Pode um subalterno falar, publicado originalmente no ano de 1985, e é considerada uma das obras mais importantes dentro da corrente pós-colonialista.

Em Pode um subalterno falar, Spivak apresenta o que será recorrente em boa parte de suas produções e falas: a crítica aos intelectuais ocidentais, principalmente no que se refere à discussão sobre o agenciamento do sujeito subalterno/a, evidenciando o etnocentrismo presente nas produções intelectuais do ocidente, que transforma os/as subalternos em objetos.  

Esse tratamento também é chamado pela autora de Violência Epistêmica, pois além de silenciar, faz com que os/as intelectuais ocidentais se sintam no direito de falar em nome dos/as subalternos/as, fazendo com que estes/as mesmos/as intelectuais se tornem cúmplices do imperialismo, pois reproduzem as estruturas de opressão.  

Como já foi mencionado, Spivak é doutora em literatura comparada, isso faz com que alguns de seus artigos apresentem abordagens sobre o ato da leitura e da escrita. Segundo essa teórica o ato de ler e de escrever marcam posições que de alguma maneira garantem a existência de nós mesmos/as.  

No que tange especificamente  a questão das mulheres, Spivak critica a forma como a academia constrói e “promove” a figura da mulher de classe subalterna: como um sujeito/objeto imaginado no campo da literatura.  

E é por isso que  Spivak está atenta para a necessidade de os/as considerados/as pós-coloniais, assim como ela mesma se considera, e principalmente os/as subalternos/as, se colocarem como pessoas extremamente críticas aos discursos dominantes e até mesmo das histórias ditas alternativas. 

Spivak é  defensora da ideia de que é preciso refazer a história. Considera essa uma grande tarefa, e que deve ser realizada com responsabilidade, negociando com as estruturas, sem perder a atitude crítica e persistente.  

 

Fontes 

https://pt.wikipedia.org/wiki/Gayatri_Chakravorty_Spivak 

https://obenedito.com.br/pode-oa-subalternoa-falar/ 

https://english.columbia.edu/content/gayatri-c-spivak 

Quem reivindica a alteridade? – Gayatri Spivak