Compartilhando Leituras: Esse Cabelo, de Djaimilia Pereira de Almeida

Compartilhando Leituras: Esse Cabelo, de Djaimilia Pereira de Almeida
dezembro 17, 2019 Priscila Kikuchi

Compartilhando Leituras

Esse Cabelo, de Djaimilia Pereira de Almeida

 

Por que comprei esse livro

Acho que é o que você deve estar se perguntando sendo eu uma branca de cabelos lisos! (rs)

Comprei o livro pela proposta da autora de contar a sua história a partir dos dramas que passou por conta de seu cabelo, sendo ela descendente de angolanos e luandenses que vive em Portugal. Djamila escreve um romance autobiográfico a partir da história do seu cabelo.

Por que me interessei pela história

Fiz parte do meu doutorado em Portugal. Quando cheguei no país me senti muito bem, como se tudo fosse tranquilo e seguro. Mas depois que participei de um seminário sobre racismo no Centro de Estudos Sociais (CES-Coimbra) na Universidade de Coimbra percebi o quanto me falta de noção crítica sobre o assunto. Ouvi dos/as poucos/as negras/os presentes no evento relatos constrangedores em relação a tratamentos, processo de imigração entre outras coisas.  Saí de lá pensando: Portugal é “bom”. Mas pra quem?!

Trouxe esse questionamento pra vida e por isso hoje procuro me basear nela antes de pensar qualquer coisa. Ler o livro Esse Cabelo foi como ouvir mais uma história que eu precisava ouvir.

Quais foram as minhas sensações ao ler o livro

Senti como se estivesse ouvindo uma história mesmo. Era como se Djaimilia Pereira de Almeida estivesse dentro da minha cabeça me contando sobre a sua vida. Por alguns momentos me imaginava em uma tarde bonita de Lisboa, onde tinha Djaimilia como amiga e ela me contava sobre a sua vida. Sua escrita é muito convidativa, me fazia bem ler alguns trechos e ouví-los com sotaque na minha cabeça. Djaimilia tem um senso de humor incrível, isso eu bem senti! Mas também senti revolta e tristeza em alguns momentos. Essa forma de lidar com a história de sua vida me deixou fascinada por Djaimilia, ela articula de maneira suave mas não esvaziada questões de colonialismo e ressignificação da vida de uma forma incrível.

O que achou mais bonito?

O tom poético de suas conclusões perante as situações trágico-cômicas.

Meus trechos favoritos

“A alienação ancestral surge na história do cabelo como qualquer coisa que exige silêncio… (p.13)

“A ata do meu esquecimento é distintamente portuguesa” (p. 83)

“Para nunca mais nos envergonhar-mos de nós mesmos é preciso que estejamos a caminho de nos tornar alguma coisa”. (p.90)

“Enlouquecer representou a possibilidade de reclamar a minha nacionalidade, ainda que não tenha poupado à ironia de pouco haver de singular no modo que se padece… “Desconhe-ce-te a ti mesma” (p.123)

Autora da Obra

Djaimilia Pereira de Almeira